Fale com o Governo Ações em Destaques

18/10/23 às 18:44, Atualizado em 20/10/23 às 11:58

Mutirão de reconstrução mamária recupera autoestima de mulheres com câncer

Hospital Regional de Taguatinga vai realizar 50 cirurgias somente esta semana em pacientes que precisaram fazer retiradas totais ou parciais dos seios

Thaís Miranda, da Agência Brasília | Edição: Débora Cronemberger

“Só de poder colocar um sutiã e saber que tem um volume aqui do lado direito, isso é a realização de um sonho”, diz, entre lágrimas, a professora Ana Maria Silva, 47 anos, deitada no leito enquanto aguarda ser chamada para a tão esperada cirurgia plástica. Ela e outras 49 mulheres são as grandes protagonistas neste Outubro Rosa. Vencedoras da luta contra o câncer de mama, elas agora vão receber a reconstrução mamária com o apoio de uma equipe multidisciplinar que compõe o quadro do Governo do Distrito Federal (GDF) em parceria com voluntários de diversos estados do país.

Envolvida nas decorações e nos mutirões sobre o Outubro Rosa, a técnica de enfermagem Olívia Bernardo venceu a batalha contra o câncer de mama | Fotos: Joel Rodrigues/Agência Brasília

O oitavo mutirão de reconstrução de mamas começou na última segunda-feira (16) e vai até o próximo sábado (21), no Hospital Regional de Taguatinga (HRT). Serão beneficiadas 50 mulheres mastectomizadas — que precisaram retirar total ou parcialmente as mamas para tratar o câncer —, que terão de volta a esperança e a autoestima graças à parceria do GDF com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, que concedeu as próteses mamárias para o implante.

São em média 70 profissionais dedicados à causa e envolvidos na maior campanha em alusão ao câncer de mama do Distrito Federal. A equipe multidisciplinar conta com especialistas para além da medicina, como psicólogos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, fisioterapeutas e até tatuadores especializados em reconstrução da aréola mamária.

“São voluntários de todos os tipos da área médica e não médica. Há voluntários de limpeza e padioleiro, por exemplo. Teremos gente de todo o país no HRT nesta semana. É uma união em prol da recuperação de todas essas pacientes”, afirma o diretor do HRT, Felipe Motinha. “O tatuador atua tanto na questão do mamilo, com uma tatuagem em 3D, quanto na tatuagem em eventuais cicatrizes, para deixar mais suave”, explica.

Voltar a viver

“Quando me ligaram para falar que minha vez chegou, eu sonhava com esse momento, porque não tenho condições de pagar. É muito caro no hospital particular”, afirma Ana Maria Silva, que recebeu o diagnóstico em 2021

Se antes as pacientes davam entrada no hospital de forma retraída e cabisbaixa, o semblante é totalmente diferente depois de receberem alta da cirurgia de reconstrução mamária. É a partir daí que a ficha cai, e essas mulheres, vencedoras da luta contra o câncer, podem, finalmente, voltar a ter uma vida com mais autoconfiança e autoestima.

“Quando recebi o diagnóstico, em 2021, foi um choque. Assustador. Quando a gente finalmente termina todo o tratamento, vem aquele questionamento: ‘e agora? Falta uma parte de mim’, e surgem também as dúvidas e inseguranças”, compartilhou a autônoma e recém-operada Rayane Tayara, 35. “A expectativa agora é poder usar um biquíni de novo, de simplesmente voltar a viver, procurar um emprego e me estabilizar.”

“Se a gente pega pacientes no pré-operatório, nós vemos que elas são recolhidas, às vezes tristes, com casos de abandono do marido ou namorado. Essa mulher que chegou acuada sai linda, poderosa e sorridente. Toda mulher merece ter a sua autoestima” Monica Reis, supervisora do centro cirúrgico do HRT

A professora Ana Maria Silva recebeu o diagnóstico em 2021, fazendo o autotoque nas mamas. Além das químio e radioterapias, ela precisou retirar por completo o seio direito, em junho do ano passado. “Não é legal. A gente não vê um pedaço da gente que tínhamos o costume de ver todos os dias. É muito triste saber que as pessoas ao seu redor estão notando essa deformidade”, reflete.

“Quando me ligaram para falar que minha vez chegou, eu sonhava com esse momento, porque não tenho condições de pagar. É muito caro no hospital particular. Isso é algo que eu queria muito. Quero poder colocar o meu sutiã e sentir o volume no lado direito. Eu não tinha coragem nem de ir ao clube”, conta Ana Maria, emocionada.

A supervisora do centro cirúrgico do HRT, Monica Reis, ressalta a importância dos procedimentos para o lado emocional, inclusive de quem participa das ações: “É muito bonito ver toda essa atuação. Se a gente pega pacientes no pré-operatório, nós vemos que elas são recolhidas, às vezes tristes, com casos de abandono do marido ou namorado. Essa mulher que chegou acuada sai linda, poderosa e sorridente. Só de ver essa mudança de comportamento já vale a pena todo o cansaço. Toda mulher merece ter a sua autoestima”.

Decoração acolhedora

Graças à atuação de voluntárias do HRT, os corredores e o centro cirúrgico ganharam uma cor especial no mês de outubro: o rosa. A decoração com flores, mensagens de motivação e ilustrações em alusão ao câncer de mama tomaram conta da decoração do hospital. E não para por aí. As roupas cirúrgicas das pacientes e o enxoval dos leitos também foram trocados por outros da cor rosa.

As cirurgias de reconstrução mamária ocorrem o ano inteiro para atender as mulheres assistidas pela rede pública de saúde

“O mutirão começou em 2016 bem simplório; colocamos florzinhas nas portas e tivemos 22 cirurgias. Ficamos megafelizes com esse resultado. O segundo melhorou bastante, e o terceiro foi o estouro. Corremos atrás de parcerias, e, desde o terceiro mutirão pra cá, [o trabalho] só vem crescendo cada vez mais”, lembra a técnica de enfermagem Olívia Bernardo.

Olívia, inclusive, é uma das mulheres que venceram a batalha contra o câncer de mama. Envolvida nas decorações e nos mutirões desde o início, a servidora precisou interromper a atuação na causa para tratar da própria saúde, em 2020, quando foi diagnosticada com a doença.

“Eu descobri que tinha câncer no aniversário da médica responsável por esse mutirão, e foi quando começamos o tratamento. Eu precisei fazer a retirada das duas mamas e, no mesmo procedimento, consegui já a prótese também. Jamais imaginei que eu pudesse estar do outro lado, sendo paciente. Esse ano fiz meus exames de rotina e posso dizer que estou curada dessa doença e aqui estou em mais um Outubro Rosa para comemorar a minha saúde e a dessas mulheres que estão aqui para recuperarem a sua autoestima”, compartilha ela.

As cirurgias de reconstrução mamária ocorrem o ano inteiro para atender as mulheres assistidas pela rede pública de saúde. “Temos cirurgias durante o ano todo. O objetivo do Outubro Rosa é diminuir a fila e atender número maior de mulheres. Normalmente, por mês, são em torno de dez pacientes. No mês de outubro, com o mutirão, nós fazemos 50 cirurgias em uma semana só”, detalhou Monica Reis.

18/10/2023 - Mutirão de reconstrução mamária recupera autoestima de mulheres com câncer

Últimas Notícias