10/7/17 20:20
Atualizado em 11/7/17 às 10:06

Arrecadação tributária se mantém estável no 1º semestre de 2017

De janeiro a junho deste ano, o governo do DF arrecadou R$ 7,6 bilhões, 3,8% a mais, em termos nominais, que os R$ 7,3 bilhões de 2016

A arrecadação tributária do Distrito Federal se manteve estável no primeiro semestre de 2017. Na comparação com o mesmo período de 2016, houve uma pequena queda real — quando se desconta a inflação — de 0,2%.

Ao levar em conta apenas os valores absolutos, de janeiro a junho deste ano, o Executivo angariou R$ 7,6 bilhões em tributos, enquanto no ano passado o saldo ficou em R$ 7,3 bilhões, o que configura um aumento nominal de 3,8%.

Quase todos os tributos apresentaram pequenas variações positivas em 2017, porém, insuficientes para fazer frente à inflação acumulada no período. As informações são da Secretaria de Fazenda.

0,2%Queda real na arrecadação do DF de janeiro a junho, descontada a inflação

O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços (ICMS), por exemplo, saltou de R$ 3,634 bilhões em 2016 para R$ 3,679 bilhões, em 2017. Apesar do crescimento nominal de 1,3%, houve variação real negativa de 2,7%.

O mesmo fenômeno ocorreu em relação ao desempenho do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) — responsável pela segunda maior arrecadação do DF.

Um montante de R$ 1,286 bilhão foi amealhado nos seis primeiros meses de 2016, contra R$ 1,332 bilhão neste ano, uma variação nominal positiva de 3,6%, mas com retração real de 0,4%.

Recuperação mais consistente em junho

Apesar de o acumulado no semestre ter se mostrado negativo, observou-se crescimento tanto real (5,7%) quanto nominal (8,4%) quando o recorte considera apenas o mês de junho.

Enquanto em junho do ano passado houve entrada de R$ 1,418 bilhão em impostos, em junho de 2017 a arrecadação alcançou R$ 1,537 bilhão.

Edição: Vannildo Mendes